Alopecia em gestante: queda de cabelo na gravidez

Tempo de leitura: 2 minutos

É comum as pessoas me perguntarem sobre a queda de cabelo durante a gestação e também sobre a queda após o parto, ou seja, no período de amamentação. O que pode ser feito? Por que isto acontece? Quais são as formas de tratamento? 

Antes de tudo, a queixa de queda capilar durante a gestação é menos frequente, pois os níveis hormonais estão elevados, o que, de maneira indireta, estimula o folículo a produzir fios de cabelo. Já no que diz respeito ao momento pós-parto, no período de aleitamento materno, há uma situação emocional delicada. Além da amamentação e do cansaço em razão do bebê dormir de maneira descompensada, têm-se a diminuição dos níveis de hormônio e a espoliação do consumo de vitaminas, sais minerais e proteínas que estão sendo realizados da mãe para o bebê.

Então, a queda capilar durante a gestação é menos frequente e está ligado às oscilações hormonais e às oscilações de insumos vitamínicos, sais minerais, entre outros, que vão ajudar a compor a matriz do cabelo e, até mesmo, ajudar a estimular o folículo.

É POSSÍVEL TRATAR A ALOPECIA DURANTE A GRAVIDEZ?

Durante a gravidez, o tratamento pode ser efetuado a partir de suplementação via oral, com reposição de sais minerais, vitaminas e aminoácidos, sem nenhum risco e prejuízo ao feto. Como também, caso a queda seja muito acentuada, pode-se recorrer a microagulhamento, produtos tópicos, estímulos mecânicos, mesoterapia e aplicação de alguns fatores de crescimento ou princípios ativos estimuladores de folículos.

Porém, é preciso que o médico tenha uma atenção redobrada para que a fórmula que vai ser utilizada não tenha princípios ativos que tenham efeitos diretos, indiretos ou mimetizadores nos hormônios. 

No momento pós parto, onde a queda é mais percebida e acentuada, é importante que haja uma reposição via oral de aminoácidos, vitaminas, sais minerais e princípios ativos de reposição de matriz. Também é indispensável já iniciar um tratamento mais intensificado localmente com mesoterapia, microagulhamento ou drug delivery, para que se tenha um estímulo mais efetivo e um aporte maior de fatores de crescimento. 

Lembrando que é importante que, no diagnóstico médico, haja observação da qualidade da haste, para saber se a paciente está tendo quebra de cabelo ou queda. Se o caso for quebra de cabelo, são necessárias formulações para cuidar da haste do fio do cabelo, pode ser com shampoo, condicionador, óleos, etc.

Logo, é possível sim  tratar alopecia na gestante ou lactante de maneira segura e assertiva!

Deixe uma resposta