Como funciona o tratamento clínico de queda capilar?

Tempo de leitura: 5 minutos

A queda capilar ou perda de cabelo, também conhecida como alopecia, é um processo em que ocorre a diminuição da densidade capilar e a redução do volume de cabelo. É um problema comum que pode afetar homens e mulheres em diferentes idades.
Existem diferentes tipos de queda capilar, incluindo:
  1. Alopecia androgenética: É a forma mais comum de queda capilar e está associada à predisposição genética. Afeta principalmente homens, mas também pode ocorrer em mulheres. Nesse tipo de alopecia, ocorre uma miniaturização progressiva dos folículos capilares sob a influência de hormônios sexuais masculinos, resultando em cabelos mais finos e curtos.
  2. Alopecia areata: É uma doença autoimune em que o sistema imunológico ataca erroneamente os folículos capilares, levando à queda repentina de cabelo em áreas específicas do couro cabeludo ou do corpo. Pode ocorrer em qualquer idade e pode afetar tanto homens quanto mulheres.
  3. Alopecia cicatricial: É um tipo raro de queda capilar em que há destruição permanente dos folículos capilares, substituídos por tecido cicatricial. Pode ser causada por doenças inflamatórias, infecções, queimaduras ou lesões.
  4. Eflúvio telógeno: É uma condição temporária em que ocorre um aumento da queda capilar devido a fatores como estresse físico ou emocional, alterações hormonais, deficiências nutricionais, doenças agudas ou crônicas, entre outros. Geralmente, ocorre uma queda difusa dos fios de cabelo.

É importante ressaltar que a queda capilar pode ter várias causas e é recomendado procurar um médico dermatologista para uma avaliação adequada e um diagnóstico preciso. O tratamento da queda capilar varia de acordo com a causa subjacente e pode incluir medicamentos tópicos ou orais, terapias a laser, transplante capilar ou outras opções, dependendo da situação específica de cada pessoa.

Terapia capilar para calvície

Existem várias opções de terapia capilar para tratar a calvície, mas é importante lembrar que a eficácia desses tratamentos pode variar de pessoa para pessoa. Além disso, é fundamental consultar um dermatologista especializado em queda capilar para uma avaliação adequada e recomendação personalizada. Abaixo estão algumas das opções de terapia capilar mais comuns:
  1. Medicamentos tópicos: Minoxidil e finasterida são os principais medicamentos tópicos utilizados no tratamento da calvície. O minoxidil é aplicado diretamente no couro cabeludo e ajuda a estimular o crescimento capilar, enquanto a finasterida é um medicamento oral que pode ajudar a diminuir a progressão da calvície.
  2. Terapia a laser de baixa intensidade: A terapia a laser de baixa intensidade, também conhecida como terapia de luz vermelha, envolve a exposição do couro cabeludo a dispositivos que emitem luz de baixa potência. Acredita-se que essa terapia possa ajudar a estimular o crescimento capilar e melhorar a saúde do couro cabeludo.
  3. Transplante capilar: O transplante capilar é uma opção cirúrgica em que os folículos capilares são retirados de áreas doadoras do próprio paciente (geralmente a região da nuca) e transplantados para as áreas calvas. Essa técnica permite o crescimento de cabelos permanentes nas áreas afetadas pela calvície.
  4. Terapia de mesoterapia capilar: A mesoterapia capilar envolve a injeção de medicamentos, vitaminas e nutrientes diretamente no couro cabeludo. Essa terapia tem como objetivo fortalecer os folículos capilares, melhorar a circulação sanguínea e estimular o crescimento do cabelo.
É importante ressaltar que esses tratamentos podem ter efeitos colaterais e nem sempre são eficazes para todos os tipos de calvície. Um dermatologista poderá avaliar o seu caso específico e recomendar a melhor opção de terapia capilar com base na causa da sua calvície, extensão da queda capilar e outros fatores individuais.

Para quem é recomendado o transplante capilar?

O transplante capilar é geralmente recomendado para pessoas que sofrem de alopecia androgenética, também conhecida como calvície de padrão masculino ou feminino. É importante ressaltar que o transplante capilar é um procedimento cirúrgico e, portanto, requer uma avaliação cuidadosa por parte de um médico especializado, como um dermatologista ou cirurgião capilar.
A recomendação do transplante capilar depende de vários fatores, incluindo:
  1. Estabilidade da queda capilar: Antes de recomendar o transplante capilar, os médicos avaliam se a perda de cabelo está estável. Isso ocorre porque o transplante é mais eficaz quando a queda capilar está estabilizada, ou seja, quando não se espera uma progressão significativa da calvície.
  2. Áreas doadoras adequadas: O transplante capilar envolve a transferência de folículos capilares de uma área doadora (geralmente a parte de trás da cabeça) para as áreas calvas. É importante que o paciente tenha uma área doadora com densidade capilar suficiente para fornecer folículos saudáveis para o transplante.
  3. Expectativas realistas: O transplante capilar não pode restaurar completamente a densidade capilar original, mas pode melhorar significativamente a aparência do cabelo. É fundamental que o paciente tenha expectativas realistas sobre os resultados que podem ser alcançados com o procedimento.
  4. Saúde geral: Os médicos também avaliam a saúde geral do paciente antes de recomendar o transplante capilar, levando em consideração fatores como condições médicas subjacentes, histórico de cirurgias prévias e uso de medicamentos.
Cada caso é único, e a decisão de realizar um transplante capilar deve ser tomada em consulta com um profissional médico qualificado. Eles poderão avaliar sua condição individual e fornecer uma orientação adequada com base em seus requisitos e expectativas específicas.

Deixe uma resposta