Quebra capilar X Queda capilar

Tempo de leitura: 1 minuto

Basicamente, a queda capilar ocorre dentro de três fatores principais: alopecia androgenética (ligada a fatores andrógenos, hormonais e genéticos), alopecia areata (ligada a fatores emocionais) e o eflúvio telógeno agudo (queda generalizada). 

Alopecia areata - Clínica IDEAL - Dermatologia Capilar

No que diz respeito a alopecia androgenética, nós temos como formas de diagnóstico e tratamento a análise clínica, que é fundamental, e o suporte dos exames genéticos. 

Tratando-se da alopecia areata, também ocorre um diagnóstico clínico muito característico e, quando preciso, pode-se usar biópsia. A mesma coisa com o eflúvio telógeno agudo.

Chama-se queda capilar porque está ligada à produção de fios pelo folículo capilar. 

Descubra como o tricologista pode ajudar com a queda capilar - Softhair

No entanto, a quebra capilar trata-se da porção que está fora do couro cabeludo, a haste, a parte que você enxerga. Muitas vezes as pacientes chegam ao consultório falando que seus cabelos estão caindo muito, mas a partir de análises vê-se que se trata da quebra capilar, que ocorre em razão de doenças do couro cabeludo.

Assim, no que diz respeito à quebra, a conduta médica será no sentido de recompor e proteger os fios para que parem de quebrar. 

Já na queda capilar, pode-se recorrer à terapia capilar, microagulhamento, mesoterapia, fatores de crescimento, soluções tópicas de uso local e suplementação via oral. 

No tratamento da quebra capilar, da haste, também temos suplementação via oral, com ácido hialurônico, colágeno, vitaminas, entre outros. Além disso, também serão formuladas máscaras específicas, óleos, etc. 

A conduta médica precisa ser assertiva no sentido de utilizar o pH correto para o tipo de ação que é desejada no fio. 

Por fim, a queda capilar está relacionada a desordens no folículo capilar, enquanto que a quebra capilar trata-se da haste, do fio de cabelo visível. 

Deixe uma resposta