Queda cabelo: quais são os tipos de alopecia e como tratar?

Tempo de leitura: 3 minutos

É natural perder mais ou menos 100 fios de cabelo por dia, porém, se o volume de fios no travesseiro, no ralo do banheiro e na escova de cabelo te causa estranhamento, talvez seja a hora de procurar um dermatologista! 

Estagios de queda de cabelo Feminino
Estagios de queda de cabelo Masculino

A perda acentuada e precoce de fios de cabelo pode ser causada por efeitos colaterais do consumo de determinados medicamentos, estresse, micose no couro cabeludo, consumo de bebida alcoólica, reação hormonal pós parto, tabagismo, uso de produtos químicos inadequados, má alimentação, lúpus eritematoso sistêmico, hipotireoidismo, hipertireoidismo, sífilis secundária, líquen plano; deficiência de proteínas, ferro, biotina e zinco; e câncer de pele. 

De acordo com a motivação da queda, o dermatologista pode identificar qual é o tipo de alopecia e indicar o tratamento adequado para o paciente. 

TIPOS DE ALOPECIA

Existem muitos tipos de alopecias, cada uma delas apresenta sintomas característicos e estágios de gravidade diferentes. Com a intenção de facilitar a identificação de qual estágio você se encontra, reunimos os tipos de alopecia em uma lista, desde as mais comuns até as mais incomuns. 

ALOPECIA AREATA

A alopecia areata é caracterizada como a perda de cabelo ou outros pelos (sobrancelha, barba) em formato arredondado ou oval. Entre as possíveis causas do distúrbio, pode-se citar fatores genéticos e imunológicos (tireoidites, diabetes, lúpus, vitiligo, rinites etc).

ALOPECIA ANDROGENÉTICA

Comumente chamada de calvície e com maior ocorrência em homens, a alopecia androgenética está ligada a fatores genéticos e a presença de hormônios sexuais masculinos. 

Pode-se reconhecer essa condição em razão da formação de “entradas” na parte frontal do cabelo, além de afinamento dos fios e perda de pigmentação.

ALOPECIA TRAUMÁTICA

A alopecia traumática surge em razão de lesões físicas ou químicas no couro cabeludo ou nos fios de cabelo. Por vezes, a restituição capilar só tem possibilidade de se concretizar com implante capilar. Além disso, também pode acontecer por conta da tração de penteados de cabelos, o que é mais comum em mulheres.

ALOPECIA SEBORRÉICA

A alopecia seborréica se desenvolve a partir da dermatite seborreica, inflamação que acomete, principalmente, o couro cabeludo com descamação, vermelhidão, caspa e coceira. 

EFLÚVIO OU DEFLÚVIO

Este tipo de alopecia surge a partir da mudança do ciclo de vida do fio, que é desencadeada por uma falha. Esta imperfeição faz com que haja um afinamento dos fios de cabelo e redução do crescimento. As causas mais comuns são: quimioterapia, anemia, infecções, medicamentos e desregulação hormonal. 

ALOPECIA CICATRICIAL

A alopecia cicatricial é aquela que se dá por conta do dano permanente das unidades geradoras de fios de cabelo: os folículos pilossebáceos. Este dano pode ocorrer por conta de processos congênitos, autoimunes, inflamatórios, infecciosos, como por exemplo dermatose pustular erosiva.

ALOPECIA FÚNGICA

A alopecia fúngica é causada por micose no couro cabeludo. Pode-se reconhecer principalmente pela queda ser associada a fratura dos fios.

TRICOTILOMANIA 

Este distúrbio é definido como um impulso recorrente de arrancar os próprios fios de cabelo (mas pode envolver pelos de outras regiões).

Descubra A Tricotilomania, A Doença De Arrancar Os Cabelos | TelaVita

COMO TRATAR?

O tratamento da alopecia é realizado a partir do diagnóstico de qual tipo se trata, além da análise e estudo da rotina do paciente e suas necessidades. Dentre as formas de tratamento mais utilizadas, pode-se elencar:

  • Procedimentos de estimulação de crescimento capilar;
  • Uso de produtos tópicos;
  • Consumo de medicamentos orais; 
  • Terapia Capilar;
  • Microagulhamento;
  • Implante Capilar.

 

Realize seu procedimento com um profissional competente! Agende sua consulta.

Deixe uma resposta