Queda de cabelo e o uso de minoxidil e finasterida

Tempo de leitura: 1 minuto

O minoxidil e a finasterida são princípios consolidados no tratamento de alopecia, a finasterida via oral e o minoxidil, geralmente, de maneira tópica. 

Porém, o uso desses medicamentos pode não ser suficiente na maioria das pessoas. É preciso observar se a situação do paciente corresponde ao caso de uma alopecia androgenética, que seria responsiva a este tipo de terapia.

Por isso que a terapia clínica, que é o Protocolo Triko que realizamos nos consultórios nas nossas clínicas não compreende só o uso dessas medicações, mas a formulação de medicamentos que variam de acordo com a necessidade do paciente. Assim, envolvemos muitos princípios ativos e, principalmente, fatores de crescimento, que colaboram no desenvolvimento dos queratinócitos.

Além disso, o exame genético, através de um SWAB, é capaz de detectar 43 variações de genes e as manifestações de cada princípio ativo por pessoa. Existem pessoas que não respondem a tratamentos com minoxidil e finasterida.

Hoje, na minha prática médica, já não prescrevo finasterida via oral, pois tenho minhas observações referentes ao uso contínuo e os efeitos colaterais dessa medicação, como repercussão sistêmica e perda de libido. Já o minoxidil gosto de realizar a prescrição tanto para uso oral quanto para uso tópico. 

Embora sejam medicamentos consolidados, as opções de tratamento não param por aí. Há diversas alternativas, dentre elas os medicamentos com nanotecnologia, por exemplo, que permitem maior permeação pela barreira cutânea e melhor drug delivery.

Deixe uma resposta