Suor (sudorese) corporal como controlar? Terapias com botox e oxibutinina

Tempo de leitura: 2 minutos

A hiperidrose corporal é mais frequente em mulheres do que em homens. É uma situação recorrente no consultório. Os pacientes que me procuram por suar excessivamente em regiões como axilas, virilha, palma da mão, planta do pé ou, até mesmo, em locais mais específicos como glúteos, sudorese capilar e facial. 

Antes de tudo, pontuo que a sudorese abundante (ou hiperidrose) pode ser tratada de três maneiras principais. Dentre estas, a mais antiga ou sugerida é a cirurgia simpatectomia, onde se secciona o nervo para inibir os estímulos nas glândulas sudoríparas que produzem o suor. Este procedimento tem sua efetividade, porém uma boa parcela dos pacientes submetidos a esta cirurgia da simpatectomia passam a apresentar uma hiperidrose em outra região do corpo

Outra alternativa é a terapia com botox ou toxina botulínica aplicada nas regiões das glândulas sudoríparas, como axilas, palma da mão, planta do pé e região capilar.  É possível fazer a desestimulação da produção do suor, contudo é uma técnica mais cara, porque envolve uma quantidade de botox representativa. Além disso, a contenção é temporária, uma vez que a perda do efeito da toxina acarreta na diminuição da efetividade da terapia. Logo, periodicamente, o paciente teria que fazer a aplicação da toxina na região desejada. 

Já para a utilização de produtos tópicos, têm-se alguns princípios ativos que associados possuem uma ação suficiente. Um princípio ativo que eu gosto muito de usar é o oxibutinina, que pode ser utilizado de maneira tópica, mas também via oral. Para uso oral, é necessário ter consciência e prescrição médica assertiva, por conta dos efeitos colaterais. 

Dessa maneira, a oxibutinina pode ser usada, e eu faço uso frequente no consultório. Para uso oral, recomendo quando o paciente tem uma região extensa de hiperidrose ou uma quantidade mais expressiva de sudorese, embora concentrada em apenas uma localidade. 

Portanto, a sudorese corporal tem sim tratamento e possibilidade de controle! A melhor forma pode ser conversada a partir de uma consulta dermatológica, entre em contato! 

Deixe uma resposta